Seja bem-vindo (a) ao blog "Química no DJB"! Este é um espaço dos estudantes do Colégio Estadual Dom João Braga (Pelotas, RS) para divulgação de suas produções nas aulas de Química a partir de 2013. É um espaço de valorização dessas produções e de troca de aprendizagens, com estímulo à criatividade e à reflexão. Aqui serão publicados textos, imagens, fotos, vídeos que venham a ser produzidos nas aulas de Química, sempre com a mediação do professor deste componente curricular, quem vos escreve. =D Além disso, esta é mais uma via de comunicação professor-estudantes para possam ser disponibilizados materiais para as atividades a serem desenvolvidas. Explore os tópicos, comente-os!

sábado, 22 de março de 2014

[TURMAS 211, 212 e 213] Estados da Matéria

Olá, pessoal! 

Disponibilizo aqui a simulação feita pela Universidade do Colorado (EUA). Com a simulação que vimos em aula, vocês podem observar diferentes tipos de moléculas na forma de um sólido, líquido, ou gás. Adicionar ou remova o calor e veja a mudança de fase. Mudar a temperatura ou o volume de um sistema e veja como um diagrama de pressão-temperatura respondem em tempo real. Relacionar o potencial de interação com as forças entre as moléculas.

Para funcionar é necessário possuir no computador o Java que vocês podem fazer o download aqui: http://www.java.com/pt_BR/

Após instalar o Java (demora um tempinho), clique no link abaixo e o download será feito automaticamente.

Vocês podem fazer o download da simulação aqui: http://phet.colorado.edu/sims/states-of-matter/states-of-matter_pt.jnlp

Simulem a vontade! 

Abraço. 

Prof. Robson Simplicio.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Blog NaturezaDJB



O Blog http://naturezadjb.blogspot.com.br/ nasce como uma via de comunicação entre os estudantes do Ensino Médio Politécnico do Colégio Estadual Dom João Braga e a Área de Ciências da Natureza, com a postagem periódica de materiais didáticos de aula e com a divulgação das produções dos estudantes. 

No contexto do Ensino Médio Politécnico, os regentes dos diferentes componentes curriculares que compõem a área de Ciências na Natureza (CN) – Biologia, Física e Química – buscam em suas aulas integrar, de acordo com a conveniência e situação de estudo, conhecimentos das demais áreas a fim de possibilitar a percepção da existência de uma Ciência comum, não estratificada e que contemple os fenômenos naturais do cotidiano.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Literatura Científica: indicações para ensinar ciências ou apenas para o prazer da leitura

Uma das dificuldades que os professores de ensino médio de muitas áreas observam em seus estudantes é que eles têm deficiências na interpretação de textos, dificuldades de foco na leitura e, por consequência, dificuldades de aprendizagem. Obviamente as dificuldades de aprendizagem não se restringem a isto, não me entendam mal. Quero questionar o que estes alunos têm sido estimulados a ler. Será que as leituras exigidas aos estudantes são realmente atrativas? Aliás, elas devem ser apenas atrativas? Bom, daí eu posso ser questionado sobre o que a querida Química tem a ver com a leitura. Na verdade, tudo! Pensando na desfragmentação do ensino de ciências, não podemos pensar que os estudantes devam se dedicar à leitura apenas nas aulas de português e literatura. Isto seria muito limitado de nossa parte. A linguagem (e não só a escrita, mas a visual, corporal, etc.) é necessária em todas as áreas e ela é uma das poderosas ferramentas de aprendizagem. Como diz meu querido professor da Faculdade de Educação da UFPel, "Todo professor é professor de português". Logo, penso que estimular as leituras nas aulas de Química, Física e Matemática ou até mesmo inseri-las no planejamento de aula seja essencial e estaremos contribuindo para minimizar aquelas dificuldades do início do texto. 

Bom, e por que não utilizarmos de uma literatura sobre ciência que seja agradável e que estimule o pensamento reflexivo?

Chamo de "literatura científica" (e perdoem se já há algum conceito restrito a este termo) aos textos ou obras literárias que se dediquem a explorar o universo da ciência, seja de ficção ou não! Abaixo, indico alguns livros de literatura científica que são bem interessantes e onde eles estão disponíveis para compra tanto novos quanto em sebo (Estante Virtual):

1. O primeiro da lista é o livro "Oxigênio" de Carl Djerassi e Roald Hoffmann
A peça tem como tema a questão da prioridade da descoberta científica e da ética na ciência. Trata-se de uma ficção que mistura protagonistas históricos reais com personagens fictícios modernos. O Comitê Nobel de Química reúne-se em Estocolmo para decidir a respeito da concessão de um Prêmio Nobel retroativo, em comemoração do centenário do Prêmio Nobel, no ano de 2001. Depois de alguma discussão, decide-se que o prêmio será dado ao descobridor do oxigênio. Só que há três candidatos, Lavoisier, Scheele e Priestley (http://www.sbq.org.br/27ra/oxigenio.htm). 
A peça é bem envolvente e você mal consegue esperar para ler o fim. A obra pode ser adquirida aqui: http://www.estantevirtual.com.br/q/carl-djerassi-e-roald-hoffmann-oxigenio
Capa e contracapa da peça
2. A próxima dica é de um dos autores da primeira obra: Carl Djerassi. "O Dilema de Cantor" não é sobre música, "Cantor" é o sobrenome do personagem principal mesmo).
Ambientado nos bastidores da ciência dos EUA, este livro conta a história do professor Isidore Cantor. Ele desenvolve uma teoria revolucionária sobre o câncer, que pode lhe dar o Prêmio Nobel. Para isso, precisa apenas comprová-la por meio de um difícil experimento. A tarefa acaba ficando a cargo do talentoso assistente de Cantor, Jeremiah Stafford. Tudo corre bem no laboratório e os dois são saudados como gênios pela comunidade científica. Mas um bilhete anônimo lança suspeitas de fraude sobre Stafford e o experimento, colocando Cantor num dilema ético: aceitar a glória ou investigar o suposto erro, correndo o risco de ver sua teoria mostrar-se falha? O romance é narrado em tom de paródia, ironizando a arrogância do mundo fechado dos cientistas, bem como suas dificuldades em relacionamentos pessoais. Personagens como Celestine Price, a ambiciosa namorada de Stafford, e Kurt Krauss, o rival de Cantor, ajudam a compor um painel das pequenas traições, alegrias e tristezas da carreira acadêmica, em situações familiares a qualquer pesquisador, estudante ou professor universitário. Djerassi mostra que o mundo do campus é apenas um microcosmo da sociedade, com seus jogos de prestígio e sua luta pelo poder (http://www.skoob.com.br/livro/61944-o_dilema_de_cantor). 
O livro pode ser adquirido aqui: http://www.estantevirtual.com.br/q/O-dilema-de-cantor

3. Para introduzir a próxima obra, darei espaço a uma resenha publicada na Revista Química Nova feita pelo prof. Roberto de Barros Faria que descreveu muito bem a proposta de utilizar este tipo de literatura científica seja no ensino superior, seja no ensino médio. Ele diz:
"Após muitos anos ministrando a disciplina de Química Geral, sempre busquei motivar ao máximo meus alunos. Esta certamente é uma preocupação constante de todos nós, professores de química de nível superior, tanto em relação aos alunos que escolheram a química como carreira como para aqueles que fazem outros cursos mas têm a química como matéria obrigatória. No caso dos professores do segundo grau, a responsabilidade é ainda maior pois a escolha de uma carreira ligada à química poderá sofrer influências decisivas a esta altura da formação dos nossos jovens. Assim, foi com grande satisfação que, por indicação de um aluno de pós-graduação, li o livro "Tio Tungstênio - Memórias de uma infância química", de Oliver Sacks, do qual não havia ouvido falar até então e cujo conteúdo considero muito motivador para todo jovem que esteja cursando Química Geral no nível superior ou Química no segundo grau, onde é obrigatória." (FARIA, R. B. Resenha: Tio Tungstênio - Memórias de uma infância química. Química Nova, v. 26, n 4, 2003.)

Sobre a obra: A vida de Oliver Sacks é marcada por uma curiosidade fora do comum. Em Tio Tungstênio, ele relembra sua infância, impregnada de recordações sobre o comportamento misterioso dos materiais. Desconfiando de que existiam leis e fenômenos escondidos por trás do mundo visível, o jovem Oliver se perguntava: "Como o carvão podia ser feito da mesma matéria que o diamante? Do que eram feitos o Sol e as estrelas?".
Cada etapa de suas descobertas sobre a luz, o calor, a eletricidade, a fotografia, o átomo, os raios X e a radioatividade é relembrada para conduzir o leitor pela história da química, apresentando as pesquisas e inovações de nomes como Lavoisier, Mendeleiev, Marie Curie, Robert Boyle e Niels Bohr, entre outros. A escrita envolvente de Sacks aproxima poesia e ciência por meio de recordações que são, a um só tempo, investigações intelectuais e episódios de amadurecimento afetivo.
As invenções da infância - por exemplo, um experimento com rabanetes para tentar provar a existência de Deus - e os anos traumáticos de colégio interno contribuíram para que ele buscasse refúgio na prática científica. Nascido numa família de cientistas, Sacks encontrou incentivo para sua vocação. Tio Dave fabricava lâmpadas de tungstênio e, na cabeça fantasiosa do menino Oliver, tinha as mãos, os pulmões e os ossos encharcados do metal escuro e pesado. Para as crianças da família, tio Dave era dotado de força e resistência sobre-humanas - era o tio Tungstênio. (Disponível em: 
http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=11468)
O livro está disponível para compra aqui: http://www.estantevirtual.com.br/q/tio-tungstenio

Espero que tenham gostado das indicações. Espero enriquecer esta lista ao longo do tempo. Sugestões de literatura científica que os tenham agradado serão muito bem-vindas!

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

[ATUALIZAÇÃO] Alunos do DJB agora serão universitários!

APROVADOS 2014


Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Aline Maciel Lucas - Bacharelado em Direito

Ana Carolina Madeira Hise - Gestão Ambiental (Tecnológico)

Caroline Aramburo Pires dos Santos - Ciência da Computação/ Física - Licenciatura (PAVE)

Dérick William dos Santos Gois - Licenciatura em Física (1ª chamada)/Bacharelado em Meteorologia (2ª chamada)

Flávia Iohana Ferrari - Licenciatura em Física

Janaína Vergara Valim - Bacharelado em Química Forense

Kauane de Souza Dorow - Ciências Biológicas - Licenciatura (1ª chamada)/ Bacharelado em Biotecnologia (2ª chamada)

Melony Andrade dos Santos - Licenciatura em Química 

Talita Marisol Islabão Vieira Martins - Licenciatura em Matemática (PAVE)

Têilor Iuri Ferrari - Licenciatura em Física

Vitória Martins e Cunha - Engenharia Agrícola

__________________________________________________________________________





Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Gustavo Luís Dias Monteiro - Licenciatura em Química

Lucielle Vieira Barbosa - Licenciatura em Química

Janaína Vergara Valim - Licenciatura em Química

Vinícius Gonzales Cruz - Engenharia Mecânica




_________________________________________________________________



Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-riograndense - IFSUL

Natália Machado Afonso - Curso Superior em Tecnologia em Agroindústria



_________________________________________________________________________



Universidade Católica de Pelotas - UCPel

Gabriel Peres da Rosa - Curso Superior de Tecnologia em Produção Fonográfica
Lucas Fiuza - Curso Superior de Tecnologia em Produção Fonográfica
Caroline Aramburo Pires dos Santos - Engenharia Elétrica
Rafael Moreira Farias - Engenharia Civil
Jean Silva da Matha - Publicidade e Propaganda


Parabéns aos aprovados! Temos muito orgulho de vocês! =D


Por que as folhas ficam com cores diferentes?

As folhas possuem clorofila, o que as tornam verdes. Mas todas as plantas verdes também carregam um conjunto de substâncias químicas chamadas carotenóides. Por conta própria, estes parecem amarelo ou laranja - os carotenóides dão cor ao milho e a cenoura, por exemplo, mas eles são invisíveis por baixo da cor verde de uma folha na maior parte do ano. No outono, quando as folhas estão chegando ao fim de seu ciclo de vida, a clorofila se quebra e o amarelo-laranja é revelado. "A cor de uma folha é perdida, como lápis em um pedaço de papel", diz David Lee , professor da Florida International University, que estuda a cor da folha desde 1973.

A maioria das árvores evoluíram para produzir um conjunto diferente de produtos químicos, chamados antocianinas, quando é brilhante e frio no outono. As antocianinas têm um tom avermelhado e são responsáveis ​​pela cor do mirtilo. Elas também aparecem em folhas recém-germinadas, o que explica seu tom avermelhada. Onde clorofila e antocianinas coexistir , a cor de uma folha pode correr para o bronze. Em concentrações altas o suficiente, as antocianinas farão uma folha parecer quase roxa, como madeira de carvalho japonesa.

Cores mais monótonas de outono se formam quando as folhas realmente morrem e os cloroplastos perdem sua funcionalidade.

domingo, 12 de janeiro de 2014

Breaking Bad e o efeito fotoelétrico


No episódio estreia de da série de TV "Breaking Bad", o professor da química Walt White realiza uma demonstração em que ele muda a cor de uma chama do Bico de Bünsen por pulverização da chama com produtos químicos. Veja só:









Deixando a péssima atitude do aluno na aula de lado, vamos à Química! Isso é até bem simples de fazer! Nós, durante as aulas de Química no DJB, já fizemos um experimento parecido. Para entender como isto acontece, você pode consultar nossa outra postagem AQUI!

Assim, diferentes cores são se dão em função de diferentes cátions existentes nos sais:

- Vermelho escuro = cloreto de lítio 
- Vermelho = cloreto de estrôncio (encontrado em chamas de emergência)
- Laranja = cloreto de cálcio (um pó de branqueamento) 
- Amarelo = cloreto de sódio (sal de mesa) ou carbonato de sódio 
- Verde = sulfato de cobre (encontrado em alguns produtos de piscina e aquário) 
- Azul = cloreto de cobre (laboratório de química, mas diferente compostos de cobre encontrados em algicidas e fungicidas podem funcionar).

Esses sais são utilizados para dar cor aos fogos de artifício.




quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Prêmios Nobel de Química

Todos os prêmios Nobel de Química


O Prêmio Nobel de Química foi concedido 105 vezes para 166 laureados com o Nobel entre 1901 e 2013. Frederick Sanger é o único ganhador do Prêmio Nobel que foi agraciado com o Prêmio Nobel de Química por duas vezes, em 1958 e 1980. Isso significa que um total de 165 indivíduos receberam o Prêmio Nobel de Química. Veja só:

O Prêmio Nobel de Química 2013

Martin Karplus , Michael Levitt Arieh Warshel
"Para o desenvolvimento de modelos de multi-escala de sistemas químicos complexos"

O Prêmio Nobel de Química 2012

Robert J. Lefkowitz Brian K. Kobilka
"Para estudos de G-receptores acoplados à proteína"

O Prêmio Nobel de Química 2011

Dan Shechtman
"Para a descoberta de quase-cristais"

O Prêmio Nobel de Química 2010

Richard F. Heck , Ei-ichi Negishi Akira Suzuki
"Para acoplamentos cruzados catalisados ​​por paládio em síntese orgânica"

O Prêmio Nobel de Química 2009

Venkatraman Ramakrishnan , Thomas A. Steitz Ada E. Yonath
"Para estudos da estrutura e função do ribossoma"

O Prêmio Nobel de Química 2008

Osamu Shimomura , Martin Chalfie Roger Y. Tsien
"Para a descoberta e desenvolvimento da proteína fluorescente verde, GFP"

O Prêmio Nobel de Química 2007

Gerhard Ertl
"Por seus estudos sobre os processos químicos em superfícies sólidas"

O Prêmio Nobel de Química 2006

Roger D. Kornberg
"Por seus estudos sobre a base molecular da transcrição eucariótica"

O Prêmio Nobel de Química 2005

Yves Chauvin , Robert H. Grubbs Richard R. Schrock
"Para o desenvolvimento do método de metátese em síntese orgânica"

O Prêmio Nobel de Química 2004

Aaron Ciechanover , Avram Hershko Irwin Rose
"Para a detecção da degradação de proteínas mediado por ubiquitina"

O Prêmio Nobel de Química 2003

"Por descobertas relativas canais nas membranas celulares"
Peter Agre
"Para a descoberta de canais de água"
Roderick MacKinnon
"Para estudos estruturais e mecanicistas de canais iônicos"

O Prêmio Nobel de Química 2002

"Para o desenvolvimento de métodos para a identificação e análise da estrutura de macromoléculas biológicas"
John B. Fenn Koichi Tanaka
"Para o seu desenvolvimento de métodos de ionização de dessorção suaves para as análises por espectrometria de massa de macromoléculas biológicas"
Kurt Wüthrich
"Para o desenvolvimento de espectroscopia de ressonância magnética nuclear para a determinação da estrutura tridimensional de macromoléculas biológicas em solução"

O Prêmio Nobel de Química 2001

William S. Knowles Ryoji Noyori
"Por seu trabalho nas reações de hidrogenação catalisadas quiralmente"
K. Barry Sharpless
"Por seu trabalho em reações de oxidação catalisadas quiralmente"

O Prêmio Nobel de Química 2000

Alan J. Heeger , Alan G. MacDiarmid Hideki Shirakawa
"Para a descoberta e desenvolvimento de polímeros condutores"

O Prêmio Nobel de Química 1999

Ahmed H. Zewail
"Por seus estudos sobre os estados de transição de reações químicas usando espectroscopia de femtosegundos"

O Prêmio Nobel de Química 1998

Walter Kohn
"Para seu desenvolvimento da teoria da densidade funcional"
John A. Pople
"Para o seu desenvolvimento de métodos computacionais em química quântica"

O Prêmio Nobel de Química 1997

Paul D. Boyer John E. Walker
"Para elucidação do mecanismo subjacente a síntese enzimática de trifosfato de adenosina (ATP)"
Jens C. Skou
"Para a primeira descoberta de uma enzima de transporte de íons, Na+, K+-ATPase"

O Prêmio Nobel de Química 1995

Paul J. Crutzen , Mario J. Molina F. Sherwood Rowland
"Por seu trabalho em química atmosférica, particularmente sobre a formação e decomposição de ozônio"

O Prêmio Nobel de Química 1994

George A. Olah
"Por sua contribuição química do carbocátion"

O Prêmio Nobel de Química 1993

"As contribuições para o desenvolvimento de métodos dentro de química baseada no DNA"
Kary B. Mullis
"Por sua invenção do método reação em cadeia polimerase (PCR)"
Michael Smith
"Por suas contribuições fundamentais para o estabelecimento de base de oligonucleotídeo, a mutagênese dirigida e seu desenvolvimento para estudos de proteínas"

O Prêmio Nobel de Química 1992

Rudolph A. Marcus
"Por suas contribuições para a teoria de reações de transferência de elétrons em sistemas químicos"

O Prêmio Nobel de Química 1991

Richard R. Ernst
"Por suas contribuições para o desenvolvimento da metodologia de alta resolução por ressonância magnética nuclear (RMN)"

O Prêmio Nobel de Química 1990

Elias James Corey
"Para seu desenvolvimento da teoria e metodologia de síntese orgânica"

O Prêmio Nobel de Química 1989

Sidney Altman Thomas R. Cech
"Pela descoberta das propriedades catalíticas de RNA"

O Prêmio Nobel de Química 1988

Johann Deisenhofer , Robert Huber Hartmut Michel
"Para a determinação da estrutura tridimensional de um centro de reação fotossintética"

O Prêmio Nobel de Química 1987

Donald J. Cram , Jean-Marie Lehn Charles J. Pedersen
"Para o seu desenvolvimento e utilização de moléculas com interações específicas da estrutura de alta seletividade"

O Prêmio Nobel de Química 1986

Dudley R. Herschbach , Yuan T. Lee John C. Polanyi
"Por suas contribuições a respeito da dinâmica dos processos químicos elementares"

O Prêmio Nobel de Química 1985

Herbert A. Hauptman Jerome Karle
"Por seu excelente desempenho no desenvolvimento de métodos diretos para a determinação de estruturas cristalinas"

O Prêmio Nobel de Química 1984

Robert Bruce Merrifield
"Pelo desenvolvimento da metodologia de síntese química em uma matriz sólida"

O Prêmio Nobel de Química 1983

Henry Taube
"Por seu trabalho sobre os mecanismos de reações de transferência de elétrons, especialmente em complexos metálicos"

O Prêmio Nobel de Química 1982

Aaron Klug
"Pelo desenvolvimento da microscopia de cristalografia eletrônica e a elucidação estrutural de biologicamente importantes complexos de ácido nucléico em proteínas"

O Prêmio Nobel de Química 1981

Kenichi Fukui Roald Hoffmann
"Para suas teorias, desenvolvido de forma independente, sobre o curso de reações químicas"

O Prêmio Nobel de Química 1980

Paul Berg
"Por seus estudos fundamentais da bioquímica de ácidos nucléicos, com especial destaque para o DNA recombinante"
Walter Gilbert Frederick Sanger
"Por suas contribuições relativas à determinação de sequências de bases nos ácidos nucléicos"

O Prêmio Nobel de Química 1979

Herbert C. Brown Georg Wittig
"Para o seu desenvolvimento da utilização de compostos contendo fósforo-boro e, respectivamente, para os reagentes importantes em síntese orgânica"

O Prêmio Nobel de Química 1978

Peter D. Mitchell
"Por sua contribuição para a compreensão da transferência de energia biológica através da formulação da teoria quimiosmótica"

O Prêmio Nobel de Química 1977

Ilya Prigogine
"Por suas contribuições para a termodinâmica de não equilíbrio, particularmente a teoria das estruturas dissipativas"

O Prêmio Nobel de Química 1976

William N. Lipscomb
"Por seus estudos sobre a estrutura das boranos iluminando problemas de ligação química"

O Prêmio Nobel de Química 1975

John Warcup Cornforth
"Por seu trabalho sobre a estereoquímica de reações catalisadas por enzimas"
Vladimir Prelog
"Por sua pesquisa na estereoquímica de moléculas orgânicas e reações"

O Prêmio Nobel de Química 1974

Paul J. Flory
"Por suas realizações fundamentais, teóricos e experimentais, na físico-química das macromoléculas"

O Prêmio Nobel de Química 1973

Ernst Otto Fischer Geoffrey Wilkinson
"Para o seu trabalho pioneiro, realizado de forma independente, na química do organometálico, chamados compostos de sanduíche"

O Prêmio Nobel de Química 1972

Christian B. Anfinsen
"Por seu trabalho em ribonuclease, especialmente sobre a conexão entre a seqüência de aminoácidos e a conformação biologicamente ativa"
Stanford Moore William H. Stein
"Por sua contribuição para o entendimento da relação entre estrutura química e atividade catalítica do centro ativo da molécula ribonuclease"

O Prêmio Nobel de Química 1971

Gerhard Herzberg
"Por suas contribuições para o conhecimento da estrutura eletrônica e geometria de moléculas, os radicais livres particularmente"

O Prêmio Nobel de Química 1970

Luis F. Leloir
"Pela descoberta dos nucleotídeos do açúcar e do seu papel na biossíntese de carboidratos"

O Prêmio Nobel de Química 1969

Derek HR Barton Odd Hassel
"Por suas contribuições para o desenvolvimento do conceito de conformação e sua aplicação em química"

O Prêmio Nobel de Química 1968

Lars Onsager
"Para a descoberta das relações recíprocas que leva seu nome, que são fundamentais para a termodinâmica dos processos irreversíveis"

O Prêmio Nobel de Química 1967

Manfred Eigen , Ronald George Wreyford Norrish George Porter
"Para os seus estudos de reações químicas extremamente rápidas, realizadas por perturbar a equlibrium por meio de pulsos muito curtos de energia"

O Prêmio Nobel de Química 1966

Robert S. Mulliken
"Por seu trabalho fundamental com as ligações químicas e estrutura eletrônica de moléculas através do método orbital molecular"

O Prêmio Nobel de Química 1965

Robert Burns Woodward
"Por suas realizações de destaque na arte da síntese orgânica"

O Prêmio Nobel de Química 1964

Dorothy Crowfoot Hodgkin
"Por suas determinações por meio de técnicas de raio-X das estruturas de substâncias bioquímicas importantes"

O Prêmio Nobel de Química 1963

Karl Ziegler Giulio Natta
"Por suas descobertas no campo da química e tecnologia de polímeros"

O Prêmio Nobel de Química 1962

Max Ferdinand Perutz John Cowdery Kendrew
"Pelos seus estudos sobre as estruturas de proteínas globulares"

O Prêmio Nobel de Química 1961

Melvin Calvin
"Por sua pesquisa sobre a assimilação de dióxido de carbono em plantas"

O Prêmio Nobel de Química 1960

Willard Frank Libby
"Para seu método de usar o carbono-14 para a determinação da idade em arqueologia, geologia, geofísica, e outros ramos da ciência"

O Prêmio Nobel de Química 1959

Jaroslav Heyrovsky
"Pela descoberta e desenvolvimento de métodos de análise polarográficos"

O Prêmio Nobel de Química 1958

Frederick Sanger
"Por seu trabalho sobre a estrutura das proteínas, especialmente a de insulina"

O Prêmio Nobel de Química 1957

Senhor (Alexander R.) Todd
"Por seu trabalho em nucleotídeos e nucleotídeos co-enzimas"

O Prêmio Nobel de Química 1956

Sir Cyril Norman Hinshelwood Nikolay Nikolaevich Semenov
"Para as suas investigações sobre o mecanismo das reações químicas"

O Prêmio Nobel de Química 1955

Vincent du Vigneaud
"Por seu trabalho em compostos de enxofre bioquimicamente importantes, especialmente pela primeira síntese de um hormônio polipeptídeo"

O Prêmio Nobel de Química 1954

Linus Carl Pauling
"Por suas pesquisas sobre a natureza das ligações químicas e sua aplicação para a elucidação da estrutura de substâncias complexas"

O Prêmio Nobel de Química 1953

Hermann Staudinger
"Por suas descobertas no campo da química macromolecular"

O Prêmio Nobel de Química 1951

Edwin Mattison McMillan Glenn Theodore Seaborg
"Por suas descobertas na química dos elementos transurânicos"

O Prêmio Nobel de Química 1950

Otto Paul Hermann Diels Kurt Alder
"Pela descoberta e desenvolvimento da síntese dieno"

O Prêmio Nobel de Química 1949

William Francis Giauque
"Por suas contribuições no campo da termodinâmica química, particularmente sobre o comportamento de substâncias em temperaturas extremamente baixas"

O Prêmio Nobel de Química 1948

Arne Wilhelm Kaurin Tiselius
"Por suas pesquisas sobre eletroforese e análise de adsorção, especialmente por suas descobertas sobre a natureza complexa das proteínas do soro"

O Prêmio Nobel de Química 1947

Sir Robert Robinson
"Por suas investigações sobre produtos vegetais de importância biológica, especialmente os alcalóides"

O Prêmio Nobel de Química 1946

James Batcheller Sumner
"Por sua descoberta de que enzimas podem ser cristalizadas"
John Howard Northrop Wendell Meredith Stanley
"Para a sua preparação de enzimas e de proteínas do vírus numa forma pura"

O Prêmio Nobel de Química 1945

Artturi Ilmari Virtanen
"Por suas pesquisas e invenções na química agrícola e nutrição, especialmente para o seu método de conservação de forragem"

O Prêmio Nobel de Química 1944

Otto Hahn
"Pela descoberta da fissão de núcleos pesados"

O Prêmio Nobel de Química 1943

George de Hevesy
"Por seu trabalho sobre o uso de isótopos como traçadores no estudo de processos químicos"

O Prêmio Nobel de Química 1942

Nenhum Prêmio Nobel foi concedido este ano. O prêmio em dinheiro estava com 1/3 atribuído ao Fundo Principal e com 2/3 para o Fundo Especial da seção deste prêmio.

O Prêmio Nobel de Química 1941

Nenhum Prêmio Nobel foi concedido este ano. O prêmio em dinheiro estava com 1/3 atribuído ao Fundo Principal e com 2/3 para o Fundo Especial da seção deste prêmio.

O Prêmio Nobel de Química 1940

Nenhum Prêmio Nobel foi concedido este ano. O prêmio em dinheiro estava com 1/3 atribuído ao Fundo Principal e com 2/3 para o Fundo Especial da seção deste prêmio.

O Prêmio Nobel de Química 1939

Adolf Friedrich Johann Butenandt
"Por seu trabalho sobre os hormônios sexuais"
Leopold Ruzicka
"Por seu trabalho em polimetilenes e terpenos mais altos"

O Prêmio Nobel de Química 1938

Richard Kuhn
"Por seu trabalho em carotenóides e vitaminas"

O Prêmio Nobel de Química 1937

Walter Norman Haworth
"Por suas investigações sobre carboidratos e vitamina C"
Paul Karrer
"Por suas investigações sobre carotenóides, flavinas e vitaminas A e B2"

O Prêmio Nobel de Química 1936

Petrus (Peter) Josephus Wilhelmus Debye
"Por suas contribuições para o nosso conhecimento da estrutura molecular através de suas investigações sobre momentos de dipolo e, por difração de raios-X e elétrons em gases"

O Prêmio Nobel de Química 1935

Frédéric Joliot Irène Joliot-Curie
"Em reconhecimento à sua síntese de novos elementos radioativos"

O Prêmio Nobel de Química 1934

Harold Clayton Urey
"Pela descoberta do hidrogênio pesado"

O Prêmio Nobel de Química 1933

Nenhum Prêmio Nobel foi concedido este ano. O prêmio em dinheiro estava com 1/3 atribuído ao Fundo Principal e com 2/3 para o Fundo Especial da secção deste prêmio.

O Prêmio Nobel de Química 1932

Irving Langmuir
"Por suas descobertas e investigações em química de superfície"

O Prêmio Nobel de Química 1931

Carl Bosch Friedrich Bergius
"Em reconhecimento dos seus contributos para a invenção e desenvolvimento de métodos químicos de alta pressão"

O Prêmio Nobel de Química 1930

Hans Fischer
"Por suas pesquisas sobre a constituição de hemina e a clorofila e, especialmente, por sua síntese de haemina"

O Prêmio Nobel de Química 1929

Arthur Harden Hans Karl August Simon von Euler-Chelpin
"Por suas investigações sobre a fermentação do açúcar e enzimas fermentativas"

O Prêmio Nobel de Química 1928

Adolf Otto Reinhold Windaus
"Pelos serviços prestados através de sua investigação sobre a constituição dos esteróis e sua ligação com as vitaminas"

O Prêmio Nobel de Química 1927

Heinrich Otto Wieland
"Por suas investigações sobre a constituição dos ácidos biliares e substâncias relacionadas"

O Prêmio Nobel de Química 1926

O (Theodor) Svedberg
"Por seu trabalho em sistemas dispersos"

O Prêmio Nobel de Química 1925

Richard Adolf Zsigmondy
"Por sua demonstração da natureza heterogênea de soluções coloidais e para os métodos que ele usou, que desde então se tornaram fundamentais na moderna química colóide"

O Prêmio Nobel de Química 1924

No Prêmio Nobel foi concedido este ano. O dinheiro do prêmio foi alocado para o Fundo Especial da secção deste prémio.

O Prêmio Nobel de Química 1923

Fritz Pregl
"Por sua invenção do método de micro-análise de substâncias orgânicas"

O Prêmio Nobel de Química 1922

Francis William Aston
"Pela descoberta, por meio de seu espectrógrafo de massa, de isótopos, em um grande número de elementos não radioativos, e por sua enunciação da regra-número inteiro"

O Prêmio Nobel de Química 1921

Frederick Soddy
"Por suas contribuições para o nosso conhecimento da química de substâncias radioativas, e suas investigações sobre a origem e natureza dos isótopos"

O Prêmio Nobel de Química 1920

Walther Hermann Nernst
"Em reconhecimento do seu trabalho em termoquímica"

O Prêmio Nobel de Química 1919

Nenhum Prêmio Nobel foi concedido este ano. O dinheiro do prêmio foi alocado para o Fundo Especial da secção deste prêmio.

O Prêmio Nobel de Química 1918

Fritz Haber
"Para a síntese de amoníaco a partir dos seus elementos"

O Prêmio Nobel de Química 1917

Nenhum Prêmio Nobel foi concedido este ano. O dinheiro do prêmio foi alocado para o Fundo Especial da secção deste prêmio.

O Prêmio Nobel de Química 1916

Nenhum Prêmio Nobel foi concedido este ano. O dinheiro do prêmio foi alocado para o Fundo Especial da secção deste prêmio.

O Prêmio Nobel de Química 1915

Richard Martin Willstätter
"Por suas pesquisas sobre pigmentos vegetais, especialmente a clorofila"

O Prêmio Nobel de Química 1914

Theodore William Richards
"Em reconhecimento das suas determinações precisas do peso atômico de um grande número de elementos químicos"

O Prêmio Nobel de Química 1913

Alfred Werner
"Em reconhecimento do seu trabalho sobre a ligação de átomos em moléculas por que ele jogou uma nova luz sobre as investigações anteriores e abriu novos campos de pesquisa, especialmente em química inorgânica"

O Prêmio Nobel de Química 1912

Victor Grignard
"Para a descoberta do chamado reagente de Grignard, a qual em anos recentes tem avançado grandemente o progresso da química orgânica"
Paul Sabatier
"Para o método de hidrogenação de compostos orgânicos, na presença de metais finamente desintegrados pelo que o progresso da química orgânica foi avançado muito nos últimos anos"

O Prêmio Nobel de Química 1911

Marie Curie, née Sklodowska
"No reconhecimento dos seus serviços para o avanço da química pela descoberta do rádio e polônio elementos, por o isolamento do rádio e do estudo da natureza e compostos deste elemento notável"

O Prêmio Nobel de Química 1910

Otto Wallach
"Em reconhecimento dos seus serviços para a química orgânica e da indústria química por seu trabalho pioneiro no campo dos compostos alicíclicos"

O Prêmio Nobel de Química 1909

Wilhelm Ostwald
"Em reconhecimento do seu trabalho em catálise e por suas investigações sobre os princípios fundamentais que regem os equilíbrios químicos e as taxas de reação"

O Prêmio Nobel de Química 1908

Ernest Rutherford
"Por suas investigações sobre a desintegração dos elementos ea química das substâncias radioactivas"

O Prêmio Nobel de Química 1907

Eduard Buchner
"Por suas pesquisas bioquímicas e sua descoberta da fermentação sem célula"

O Prêmio Nobel de Química 1906

Henri Moissan
"Em reconhecimento dos grandes serviços prestados por ele em sua investigação e isolamento do elemento flúor, e para a adoção a serviço da ciência do forno elétrico chamado depois dele"

O Prêmio Nobel de Química 1905

Johann Friedrich Wilhelm Adolf von Baeyer
"Em reconhecimento dos seus serviços para o avanço da química orgânica e da indústria química, por meio de seu trabalho em corantes orgânicos e compostos hidroaromático"

O Prêmio Nobel de Química 1904

Sir William Ramsay
"Em reconhecimento dos seus serviços na descoberta dos elementos gasosos inertes no ar, e sua determinação de seu lugar no sistema periódico"

O Prêmio Nobel de Química 1903

Svante August Arrhenius
"Em reconhecimento pelos extraordinários serviços que tem prestado para o avanço da química por sua teoria da dissociação eletrolítica"

O Prêmio Nobel de Química 1902

Hermann Emil Fischer
"Em reconhecimento pelos extraordinários serviços que tem prestado por seu trabalho na síntese de açúcar e de purinas"

O Prêmio Nobel de Química 1901

Jacobus Henricus van 't Hoff
"Em reconhecimento pelos extraordinários serviços que tem prestado pela descoberta das leis da dinâmica química e da pressão osmótica em soluções"